terça-feira, 29 de novembro de 2011

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Xochimilco

Xochimilco é uma das delegações da Cidade do México.
Uma área que tem 60km de canais que faziam parte do Lago Texcoco antes dele se tornar a Cidade do México. É conhecida pelos turistas e mexicanos pelas trajineras (barcos) que levam a todos a passear pelos canais e onde estão muitas plantações de flores e plantas que abastecem toda a Cidade do México.
Xochimilco quer dizer: Cidade das Flores.
Existem muitas lendas sobre o lugar, entre elas a da Isla de las muñecas, onde um senhor, que já morreu, pendurou bonecas por todos os lados. Em sua choupana, nas árvores. Dizia que as sereias dos canais vinham para brincar com as bonecas. Nosso "remeiro" nos disse que muita gente jura, de pé junto, que ao passar perto das bonecas, já viram várias virarem as suas cabeças quando passam de barco... Ai, arrepiei.
Outros dizem que esse senhor começou a colecionar as bonecas, umas da década de 30, após perder sua filha afogada no canal. Ele retirava bonecas velhas dos lixos e as colocava por todos os lugares. Cada louco com a sua loucura, certo?
Não pude ver ainda muitas coisas que há por lá. Existem museus, sítios arqueológicos e várias feiras de flores.
Seguem algumas fotos.










Ainda estou esperando mais fotos dos meus pais.  A minha camera ficou sem bateria no meio do passeio! Hunf.

Por que as coisas são tão caras no Brasil?

Simples assim: 85 tributos, sem contar pedágio e estacionamentos nos Shoppings.


Lista de tributos (impostos, contribuições, taxas, contribuições de melhoria) existentes no Brasil:


  1. Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante – AFRMM - Lei 10.893/2004
  2. Contribuição á Direção de Portos e Costas (DPC) - Lei 5.461/1968
  3. Contribuição ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT  - Lei 10.168/2000
  4. Contribuição ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), também chamado "Salário Educação" Decreto 6.003/2006
  5. Contribuição ao Funrural
  6. Contribuição ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) - Lei 2.613/1955
  7. Contribuição ao Seguro Acidente de Trabalho (SAT)
  8. Contribuição ao Serviço Brasileiro de Apoio a Pequena Empresa (Sebrae) - Lei 8.029/1990
  9. Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Comercial (SENAC) - Decreto-Lei 8.621/1946
  10. Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado dos Transportes (SENAT) - Lei 8.706/1993
  11. Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (SENAI) - Lei 4.048/1942
  12. Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Rural (SENAR) - Lei 8.315/1991
  13. Contribuição ao Serviço Social da Indústria (SESI) - Lei 9.403/1946
  14. Contribuição ao Serviço Social do Comércio (SESC) - Lei 9.853/1946
  15. Contribuição ao Serviço Social do Cooperativismo (SESCOOP) - art. 9, I, da MP 1.715-2/1998
  16. Contribuição ao Serviço Social dos Transportes (SEST) - Lei 8.706/1993
  17. Contribuição Confederativa Laboral (dos empregados)
  18. Contribuição Confederativa Patronal (das empresas)
  19. Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico – CIDE Combustíveis - Lei 10.336/2001
  20. Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico – CIDE Remessas Exterior - Lei 10.168/2000
  21. Contribuição para a Assistência Social e Educacional aos Atletas Profissionais - FAAP - Decreto 6.297/2007
  22. Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública - Emenda Constitucional 39/2002
  23. Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional – CONDECINE - art. 32 da Medida Provisória 2228-1/2001 e Lei 10.454/2002
  24. Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública - art. 32 da Lei 11.652/2008.
  25. Contribuição Sindical Laboral (não se confunde com a Contribuição Confederativa Laboral, vide comentários sobre a Contribuição Sindical Patronal)
  26. Contribuição Sindical Patronal (não se confunde com a Contribuição Confederativa Patronal, já que a Contribuição Sindical Patronal é obrigatória, pelo artigo 578 da CLT, e a Confederativa foi instituída pelo art. 8, inciso IV, da Constituição Federal e é obrigatória em função da assembléia do Sindicato que a instituir para seus associados, independentemente da contribuição prevista na CLT)
  27. Contribuição Social Adicional para Reposição das Perdas Inflacionárias do FGTS - Lei Complementar 110/2001
  28. Contribuições de Melhoria: asfalto, calçamento, esgoto, rede de água, rede de esgoto, etc.
  29. Fundo Aeroviário (FAER) - Decreto Lei 1.305/1974
  30. Fundo de Combate à Pobreza - art. 82 da EC 31/2000
  31. Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (FISTEL) - Lei 5.070/1966 com novas disposições da Lei 9.472/1997
  32. Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)
  33. Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST) - art. 6 da Lei 9.998/2000
  34. Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento das Atividades de Fiscalização (Fundaf) - art.6 do Decreto-Lei 1.437/1975 e art. 10 da IN SRF 180/2002
  35. Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel) - Lei 10.052/2000
  36. Imposto sobre a Importação (II)
  37. Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA)
  38. Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU)
  39. Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza (IR - pessoa física e jurídica)
  40. Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD)
  41. INSS Autônomos e Empresários
  42. INSS Empregados
  43. INSS Patronal
  44. Programa de Integração Social (PIS) e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP)
  45. Taxa de Autorização do Trabalho Estrangeiro  
  46. Taxa de Avaliação in loco das Instituições de Educação e Cursos de Graduação - Lei 10.870/2004
  47. Taxa de Classificação, Inspeção e Fiscalização de produtos animais e vegetais ou de consumo nas atividades agropecuárias - Decreto-Lei 1.899/1981
  48. Taxa de Coleta de Lixo
  49. Taxa de Combate a Incêndios
  50. Taxa de Conservação e Limpeza Pública
  51. Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental – TCFA - Lei 10.165/2000
  52. Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos - Lei 10.357/2001, art. 16
  53. Taxa de Emissão de Documentos (níveis municipais, estaduais e federais)
  54. Taxa de Fiscalização da Aviação Civil - TFAC - Lei 11.292/2006
  55. Taxa de Fiscalização da Agência Nacional de Águas – ANA - art. 13 e 14 da MP 437/2008
  56. Taxa de Fiscalização CVM (Comissão de Valores Mobiliários) - Lei 7.940/1989
  57. Taxa de Fiscalização de Sorteios, Brindes ou Concursos - art. 50 da MP 2.158-35/2001
  58. Taxa de Fiscalização de Vigilância Sanitária Lei 9.782/1999, art. 23
  59. Taxa de Fiscalização dos Produtos Controlados pelo Exército Brasileiro - TFPC - Lei 10.834/2003
  60. Taxa de Fiscalização dos Mercados de Seguro e Resseguro, de Capitalização e de Previdência Complementar Aberta - art. 48 a 59 da Lei 12.249/2010
  61. Taxa de Licenciamento Anual de Veículo - art. 130 da Lei 9.503/1997
  62. Taxa de Licenciamento, Controle e Fiscalização de Materiais Nucleares e Radioativos e suas instalações - Lei 9.765/1998
  63. Taxa de Licenciamento para Funcionamento e Alvará Municipal
  64. Taxa de Pesquisa Mineral DNPM - Portaria Ministerial 503/1999
  65. Taxa de Serviços Administrativos – TSA – Zona Franca de Manaus - Lei 9.960/2000
  66. Taxa de Serviços Metrológicos - art. 11 da Lei 9.933/1999
  67. Taxas ao Conselho Nacional de Petróleo (CNP)
  68. Taxa de Outorga e Fiscalização - Energia Elétrica - art. 11, inciso I, e artigos 12 e 13, da Lei 9.427/1996
  69. Taxa de Outorga - Rádios Comunitárias  - art. 24 da Lei 9.612/1998 e nos art. 7 e 42 do Decreto 2.615/1998
  70. Taxa de Outorga - Serviços de Transportes Terrestres e Aquaviários - art. 77, incisos II e III, a art. 97, IV, da Lei 10.233/2001
  71. Taxas de Saúde Suplementar - ANS  - Lei 9.961/2000, art. 18
  72. Taxa de Utilização do SISCOMEX - art. 13 da IN 680/2006.
  73. Taxa de Utilização do MERCANTE - Decreto 5.324/2004
  74. Taxas do Registro do Comércio (Juntas Comerciais)
  75. Taxa Processual Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE - Lei 9.718/1998

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Pirâmides de Teotihuacán

Recebemos visitas!
E fizemos alguns passeios legais.
Seguem fotos de Teotihuacán, a maior cidade da época Pré-colombiana da América.

Pirâmide do Sol 


 Calçada dos mortos e Pirâmide da Lua ao fundo.





 Pirâmide da Lua



Calçada dos mortos.

Escadaria nada íngreme. 





 Sim, o Renato também foi.


Bicho do mato. 


quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Dia de Muertos

 A tradição do dia de mortos no México, como eles dizem aqui, não é um mero dia festivo, é um dia de reencontro entre vivos e mortos.
No dia 01/11 são esperadas as crianças que já faleceram e no dia 02/11, os adultos.
Os altares montados nas casas, ruas, cemitérios e praças são coisas impressionantes para quem não está acostumado com isso e que, na maioria da vezes, encara o nosso Dia de Finados como um dia triste ou somente um feriado a mais no calendário.
Confesso que me agrada mais pensar nas pessoas que já se foram dessa forma do que me lamuriar ou ficar tão triste pensando na falta que elas fazem.



“Atualmente, o Dia de Muertos no México, representa uma mistura de devoção crista com os costumes e crenças pré-hispânicas e se materializa no tradicional altar-oferenda, uma das tradições mais mexicanas. O altar-oferenda é um ritual respeitoso a memória dos mortos e seu propósito é atrair seus espíritos. Consiste em pedir aos difuntos que regressem nesse dia para conviver com seus familiares, com os alimentos e objetos preferidos pore les em vida, para que voltem a aproveitá-los nessa breve visita. Na oferenda do altar de mortos não pode faltar a representação dos quarto elementos da Natureza.



Terra, representada por seus frutos que alimentam as almas com seu aroma.



Vento, representado por algo que se mova, tão ligeiro como o vento, colocam geralmente papel picado.



Água, um recipiente para que as almas matem sua sede depois do largo caminho que recorrem para chegar ao seu altar.



Fogo, uma vela por cada alma que se recorde e uma pela alma esquecida.

Na oferenda também se coloca sal que purifica, copal para que as almas se guiem pelo olfato, flor de cempasúchitl que se coloca desde a porta até o altar para indicar o caminho a las almas. Aqui, sempre há alguém da familia esperando a chegada delas para demostrar seu respeito e companhía.

Durante a Celebração do Día de Muertos, as caveiras de doce são preparadas de diferentes tamanhos. O açúcar se dissolve em água até obter um xarope muito grosso que se colocam en moldes. Quando o açúcar se seca se decora con filigrana de açúcar colorida e recortes de papel brillante de diferentes cores, sem deixar de colocar na frente do crâneo um nome de batismo. O comprador assim pode dar de presente a um amigo ou parente para que se “coma sua caveira”.”




Tradução da página: http://www.diademuertos.com
As fotos não são minhas. Todas buscadas no Google para ilustrar o post.