segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Do alto da catedral...

Sempre soube que a gente podia visitar os sinos da Catedral Metropolitana na CDMX, mas sempre quando íamos a gente encontrava uma desculpa. A primeira porque o Renato era pequeno e a gente trazia o carrinho e depois tinha mais coisa pra ver e fomos adiando.
No dia 06/02 uns primos vieram pra cá (pela primeira vez!!!) e aí fomos passear com eles um tempinho. Zócalo, Catedral, Café da manhã no terraço do hotel e Templo Mayor. As fotos de hoje são todas do passeio na Catedral.

 Cada um dos sinos tem uma história. Pra quem quiser ler mais, podem dar uma olhada aqui.
Em toda a Catedral se pode encontrar 25 sinos, de diversos tamanhos e peso. 

 As escadas caracol são feitas de madeira maciça e talhadas de uma só peça. Pobre da grande árvore que foi cortada para que pudessemos ver essa obra.


 Além de saber um pouco da história dos sinos, o mais legal é poder andar no alto da Catedral. A vista é muito bacana e parece que voltamos no tempo...





 Tudo estava muito vazio já que preparavam a Plaza de la Constituicion para a chegada do Papa Francisco. Ou seja, essa praça vazia assim, pra mim é como um milagre! :)


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Comida exótica - ou estranha?

Já tem uns dois anos, postei um vídeo sobre algumas comidas exóticas no México. Dá uma olhada AQUI.
Na semana passada, a pedidos da Melissa, do Viviendo en el México Mágico, compartilho aqui um texto mais completo sobre o assunto.
Lembrando que são apenas alguns exemplos do que a gente pode achar MEGA estranho, já que no Brasil, nem de longe a gente pensa em comer coisas assim. Além dos que eu coloco abaixo, também tem polvo preparado na própria tinta, guisado de tatu, javali e outros bichos.

Segue o texto que escrevi pra Melissa.

Quando eu comento no Brasil que comemos Molletes, os famosos (ou completamente desconhecidos) pães com pasta de feijão (aqui se diz frijoles refritos), queijo derretido e pico de gallo (que é como um vinagrete feito de tomate, cebola, cilantro e chile e a maioria das vezes está picante) no café da manhã, muita gente me olha feio e diz: “Pão com feijão e queijo??????????”


O México é famoso por combinar temperos, ervas, doce com salgado, doce com picante e tudo fica delicioso. Claro, tem que ter tempo para se acostumar, para os mais exigentes. Ou mais enjoados, quem sabe! Mas o ponto de tudo isso é que, se os molletes parecem algo de outro mundo para nós, vamos ver o que mais de tão “exótico” o México tem pra oferecer... Ou seria melhor dizer “estranho”, para nós brasileiros?

A maioria dos pratos exóticos mexicanos é de origem pré-hispânica e, aos nossos olhos, eu diria “pra lá de exóticos”. São pratos feitos a base de insetos, larvas, partes do boi, do porco – e outros bichos - que a gente não está acostumado a comer... Eu diria que tudo é pra quem tem estômago mesmo, porque dos que eu vou citar abaixo, eu só provei dois ou três, sendo que 2 deles, eu só soube o que era depois de experimentar... E gostei.

Prontos?

Huitlacoche
É um fungo que cresce na espiga do milho e aí fica “parasitando”. É preparado para comer com tortillas ou outros pratos mais elaborados pelos chefs mexicanos. Nunca provei... E não sei se um dia provarei.



Grilos e gafanhotos
Aqui conhecidos como “grillos” e “chapulines”, se comem tostadinhos acompanhando tacos, guacamole, misturados com frutas secas (assim foi como eu provei a primeira vez), com limão e chile.



Escamoles
Os escamoles são ovos de formiga. Muitos hoje vêem esse prato como Gourmet, já que não é tão fácil encontrar, nem barato comprá-los.
Vi algumas maneiras de preparar em vídeo no Youtube, mas geralmente são fritos na manteiga com ervas ou preparados como tortas.


Gusanos de maguey
Bom, gusano é larva, uma lagartona mesmo, da planta Maguey, planta usada para a fabricação do tequila. Também com o nome de "chinicuil". Eu, sinceramente, passo! Não gosto nem de olhar e DUVIDO que algum dia eu experimente.  Só de ver dentro das garrafas de tequila já me arrepio.
Pra quem quiser acompanhar com guacamole... Aí vai a cara do prato.



Jumiles
Nunca vi nas ruas, mas vi uma vez num programa de televisão. AAAAAAAAA Socorrooooooo. São insetos. Pra mim, sinceramente, parece uma Maria-fedida. Dizem que parece uma goma de mascar com sabor a menta-aniz. Eu não quero conferir o sabor. Pra comer tostadinho no taco. E tem quem coma vivo! 



Acociles
Os acociles são pequenos camarões de cor vermelho vivo. Bom, ficam dessa cor depois de fritos, imagino. São preparados com casca e cabeça e também nunca provei. Talvez esse sim eu encare. Com limãozinho e uma cerveja, óbvio...



Nucú ou Atta
É uma formigona que, depois da época de chuva, saem caminhando por aí. Mais comum no estado de Chiapas, elas são as famosas Tanajuras, ou como eu conheci uma vez, Formiga-içá. Também rica em proteína, pra comer tostadinha. Alguém aceita?


Tacos de cabeça, tripa, língua...
Nunca vi povo para aproveitar todas as partes de um animal como os mexicanos. Acredite, tem tacos de tudo o que você imaginar: cabeça, olhos, cérebro, testículos, tripas, língua... Eu já provei de tripa, cabeça e língua. E são gostosos. Meu preferido é de língua, com cebola e coentro, sal e limão.

Vai um taco de tripa aí?
Provechito!


 P.S. - As fotos são todas do Google Imagens.



terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Grutas de Tolantongo - Parte II

Esqueci de colocar a foto da continuação da cascata que sai da gruta no outro post. Esse é o riozinho que se forma abaixo e onde todos montam suas barracas de camping, assadores e se divertem na água. Como o rio tem pedras, se formam níveis e cada um vira uma piscinona... Sinceramente, é pra quem gosta de "muvuca" mesmo. 




O outro lado do parque, que se chama Paraíso Escondido, é onde estão as "piscinas", mais conhecidas como "pozas". Muita gente pensa, quando vêem as fotos na internet, que as piscinas são naturais. Não são. 
A gente não teve muita sorte no dia. Tava nublado e chuviscou, então, quando fomos a esse lado, nos metemos em uma piscininha e aí ficamos por umas 2h... ou mais. Água quentinha, paisagem inigualável, companhia perfeita sempre...

Seguem poucas fotos. Eu aproveitei mais a água e relaxei do que tirei fotos. O lugar é bem mais do que isso. E como o dia estava feio, não me animei muito.




Fotos tiradas do Google:



Também tem restaurante e hospedagem nessa lugar também.

Saludos.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Grutas de Tolantongo - parte I

Terminando a saga Hidalgo de novembro do ano passado, aqui deixo algumas fotos e dicas para quem pensa, um dia, em conhecer as grutas de Tolantongo.
Eu particularmente gostei bastante do lugar, mesmo com tempo nublado e vento.
O lugar é como Guarujá mexicano. Lotado de gente. Tem hospedagem por preços bem acessíveis, tudo feito por ordem de chegada. Não fazem reserva por telefone, nem adianta. Não aceitam cartões de débito ou crédito e não há caixas eletrônicos no lugar. Tem que ir preparado mesmo. Tem informação sobre tudo isso no site deles: http://www.grutastolantongo.com.mx/
Além de hospedagem em quartos simples, muitos levam suas cabanas para acampar. Há a opção de alugar cabanas, edredons e várias outras coisas aí mesmo. Para aqueles despreparados e marinheiros de primeira viagem.
Nós ficamos hospedados numa cidadezinha próxima das grutas, chamada Ixmiquilpan. Bem simples e com opções para bolsos de classe média. Nada com muito luxo não.
Para chegar às grutas, da-lhe estrada de terra.

 A paisagem é magnífica.




Mas as curvinhas, com tanto barro...

Foi bem emocionante.

Chegando na entrada do Parque já te dão opção de compra de boletos para os dias que deseja ficar hospedado. Você tem que pagar logo antes de entrar com o carro. As entradas valem para a entrada nas Grutas e nas "pozas" que são piscinas que estão em outra seção do parque chamada "Paraíso Escondido".


Bom, a parte das grutas é bem bacana. Você tem que chegar já com roupa de banho colocada mesmo, senão vai ter que ficar carregando coisas até os lockers, pra se trocar é um caos de gente nos vestiários (eu me troquei lá e me arrependi). Você não pode levar nada além de toalha até a entrada da gruta. Aí os "guardas" avisam que "daqui em diante só "traje de banho e chinelos".








Na entrada abaixo você pode entrar em duas grutas diferentes. Tem sempre um guia controlando a entrada porque em uma delas o espaço e pequeno e você vai agarrado nas cordas para poder chegar até um poço de água bem quentinha. Tudo no escuro. Os guias as vezes acendem uma luz só pra você ter noção de onde está.
Na gruta maior você pode também ir agarrado em cordas até uns, quem sabe, 100m pra dentro e chega numa gruta enorme. A correnteza é forte. Quase perdi meus chinelos. Uma boa dica é comprar aqueles sapatos de água mesmo. E no caminho para as grutas você encontra gente vendendo de tudo.